DORMIR SOB O ABRIGO DO ADOBE

Nuestros corredores interiores

No México, Colômbia, Equador, Peru, Bolívia, Argentina, assim como no norte e centro do Chile, as casas de adobe ainda são herança de muitas famílias, que preservam essa tradição desde tempos imemoriais. A mistura de grama seca com a lama permite uma aglutinação correta, grande resistência às intempéries e evita que os blocos uma vez solidificados rachem. Posteriormente, os blocos são aderidos uns aos outros com lama para construir paredes. Além de econômico, é um bom elemento construtivo bioclimático para ambientes secos e desérticos, pois possui grande inércia térmica: absorve o calor durante o dia e o expele nas noites frias. É por isso que tem sido um material de construção comum no deserto.

1

Antonio, viajou de Barcelona na Espanha, em agosto de 2013 para San Pedro de Atacama e nos conta: “Sempre que viajo e vejo construções e casas tão diferentes das habituais em meu país, penso em como serão por dentro e como deveria viver neles. Isso aconteceu conosco quando vimos as casas de adobe de San Pedro de Atacama durante a preparação de nossa viagem ao Chile. Optamos por ficar em Terrantai e comprovar a tranquilidade e a energia positiva que emanam dos materiais naturais utilizados neste tipo de construção. Achamos que é um lugar lindo e muito romântico. Ver o campanário da igreja de San Pedro aparecer acima das paredes torna-o um lugar mágico que sempre levaremos em nossos corações. Pena que é muito longe!!”
Essa energia que o adobe capta é combinada com o silêncio do deserto, conseguindo um efeito calmante e retrospectivo das origens.